Costa do Marfim: Ouattara é pressionado para disputar um novo mandato

Ouattara has previously said he would prefer to hand over power to a new generation, although he also says he has the right to run again under the new 2016 constitution [File: Thierry Gouegnon/Reuters]
O presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara. Eleito pela primeira vez em 2010 e novamente em 2015. Fonte: Thierry Gouegnon/Reuters.

O partido governista da Costa do Marfim, o Aliança dos Republicanos (RDR), comunicou nesta segunda-feira, 20 de julho, que está tentando convencer o presidente do país, Alassane Ouattara, a disputar um terceiro mandato para as próximas eleições presidenciais. A iniciativa é importante para o partido por conta da morte do nome escolhido para a sucessão, Amadou Gon Coulibaly, no início deste mês.

A tentativa do partido de optar por um novo mandato de Ouattara é contemplada para preencher o vácuo eleitoral aberto pela morte de Coulibaly, que até então ocupava o cargo de primeiro-ministro do país. Seu nome havia sido escolhido por ser o político mais próximo de Ouattara. Já tendo se submetido a uma cirurgia cardíaca em 2012, Coulibaly começou a sentir mal em uma reunião de gabinete no dia 8 de julho. Ele foi imediatamente internado no hospital e veio a falecer pouco tempo depois.

O vazio político que surgiu com a morte de Coulibaly é problemático para o RDR, que enfrenta a ameaça de não ter um candidato em uma eleição considerada um importante teste para a democracia e a estabilidade política na Costa do Marfim. Afinal, será o terceiro pleito a ser realizado no país posterior à guerra civil, que durou de 2002 a 2007.

A ausência de um nome para sucessão também complica a situação política interna do próprio RDR, onde a ausência de um nome para o pleito pode levar a disputas pela liderança do partido. A possibilidade de disputar um terceiro mandato de Ouattara tem sido considerada como uma forma de apaziguar os ânimos internos no RDR. “Por que devemos correr o risco quando temos uma opção acertada?”, questionou o diretor executivo do RDR, Adama Bictogo, defensor de uma recandidatura de Ouattara, tendo em vista o risco de tensão interna no partido. “Se ele recusar, nós deveremos olhar para dentro e tomar uma decisão. Por hora, não tenho nenhum outro candidato em mente”, declarou Bictogo em referência ao atual presidente.

Isso passa por compreender que a eleição deste ano promete ser das mais acaloradas desde 2010, quando Ouattara derrotou o ex-presidente Laurent Gbagbo. Aquele pleito foi marcado pela recusa de Gbagbo de reconhecer a derrota. A situação levou a um impasse que deixou 3.000 mortos até a prisão de Gbagbo, em abril de 2011.

Antigos nomes influentes têm declarado participação na eleição, como o ex-presidente Henri Conan Bedie, governante do país de 1993 a 1999. Ouattara, entretanto, tem se manifestado receoso de disputar um terceiro mandato, respondendo que preferiria deixar o poder para alguém de uma nova geração. Mas também tem afirmado sua legitimidade para disputar um novo mandato por conta da nova constituição adotada pelo país em 2016.    

3 Comments

  1. Pingback: URL

  2. antonio Macheve

    Gostaria de saber o que, na Constituicao da Costa do Marfim de 2016, permite o Presidente Allassane Ouatarra concorrer para um terceiro mandato presidencial?

    • Redação do Fora!

      Olá, Antônio. Até onde temos conhecimento, a constituição da Costa do Marfim não limita o número de reeleições, mas estabelece um limite de idade para os candidatos. Se o limite de idade for alterado (ou derrubado) por emenda constitucional, a candidatura é válida (Outarra já completou 75 anos).

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*