América Latina e Caribe

Venezuela: Maduro comenta sobre revelações de John Bolton

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reagiu na quarta-feira, 17 de Junho, às revelações feitas pelo ex-assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, sobre os bastidores do governo de Donald Trump a respeito de uma ideia de invasão à Venezuela. Maduro considerou o vazamento como uma confirmação de que os Estados Unidos conspiraram para depor seu governo: “vão saindo as verdades sobre o que temos derrotado em 2019 e 2020” declarou, se referindo também a eventos como o governo paralelo de Juan Guaidó e a tentativa de invasão mercenária em Maio deste ano.

Brasil: a repercussão da prisão de Fabrício Queiroz na imprensa estrangeira

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, foi preso no interior de São Paulo no âmbito da investigação de um suposto esquema de “rachadinha” no Legislativo do Rio de Janeiro. Queiroz estava escondido em imóvel de advogado da família Bolsonaro. Veja como foi a repercussão na imprensa internacional.

EUA investiga relações entre Khalifa Haftar, da Líbia, e o governo Venezuelano

Vários países, incluindo os EUA, estão investigando o desenvolvimento do relacionamento da líder da milícia líbia Khalifa Haftar com a Venezuela, após preocupações de que ele possa arrecadar fundos para sua guerra contra o governo de Trípoli, apoiado pela ONU, por meio de acordos de petróleo com Caracas.

EUA: Trump barra nomeação de brasileiro na OMC e enfraquece a organização internacional

O Brasil indicou, nesta segunda-feira (25/05), o embaixador José Alfredo Graça Lima como integrante do Mecanismo Interino de Apelação e Arbitragem da Organização Mundial do Comércio (MPIA, acrônimo em inglês). A entidade foi criada como substituta ao Órgão de Soluções e Controvérsias, também vinculado à OMC, que servia como tribunal para julgar o comércio multilateral entre os estados membros e até autorizar retaliações.

Bolívia: impasse entre Senado e Forças Armadas leva a nova crise

A suspensão de um ato oficial referente à promoção de cargos militares inaugurou uma nova crise política entre as Forças Armadas e o Legislativo boliviano. O ato estava previsto para a manhã desta quinta-feira, 21 de maio, e dizia respeito aos nomes escolhidos para ascender aos postos de generais, vice-almirantes e almirantes, também previa a presença da presidente interina da Bolívia, Jeanine Añez. Entretanto, o evento foi impedido pela Cúpula do Senado, sob o argumento que sua realização atropelava a autoridade da instituição legislativa para autorizar sua realização. O cancelamento repentino do ato repercutiu em trocas de acusações e ameaças entre autoridades do Legislativo e das Forças Armadas.